Próteses: CRV entrevista Dr Wanderley Severo Jr

Com quase 2 mil cirurgias no currículo, Dr Wanderley Severo Jr é hoje uma das referências brasileiras quando o assunto são próteses ortopédicas. Sócio do Núcleo de Cirurgia Avançada e Terapia Intensiva Veterinária, na Barra da Tijuca, Dr Wanderley ajudou a fundar a Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia Veterinária (OTV).

Nesta entrevista, Dr Wanderley sentou com o Blog do CRV Imagem para avaliar o atual cenário do mercado de próteses brasileiro — que sofreu um revés nos últimos tempos com a alta do dólar –, o referencial norte-americano e o futuro dos implantes com as impressoras 3D.

 

Dr Wanderley, obrigado por conceder esta entrevista. Hoje, você é referência em próteses de quadril, no Brasil. Quando começou a trabalhar com a técnica e qual é o cenário atual das próteses para animais no país?

Eu é que agradeço a oportunidade. Comecei a trabalhar com as próteses de quadril em 2005 com um material importado da Inglaterra. Na época, eram próteses do tipo cimentada (fixadas ao osso através do polimetilmetacrilato). Essa técnica nos impunha algumas desvantagens como risco de infeção elevado e necessidade de substituição da prótese no longo prazo.

Atualmente, trabalhamos com próteses não cimentadas fixadas ao osso por pressão e osteointegradas, através do revestimento poroso de titânio de dois fabricantes: Biomedtrix que é importada dos EUA e teve seu uso drasticamente reduzido pela alta do dólar, e a prótese de fabricação nacional da VetPlan, de cujo projeto de criação fiz parte.

A taxa de sucesso do procedimento fica em torno de 90%. Hoje, temos um implante nacional com ótima qualidade e preços viáveis para a nossa realidade brasileira.

 

Em comparação com mercado norte-americano, por exemplo, como o senhor avaliar o cenário brasileiro para próteses?

O mercado norte americano tem um potencial econômico diferenciado e mais de 120.000 próteses já foram colocadas nos EUA. Não sei se algum dia chegaremos próximo a esse número. Torço pra que o Brasil volte a prosperar, e essa cirurgia passe a ser viável economicamente com o implante nacional para a maioria dos proprietários de cães doentes.

 

Quais os casos clínicos mais comuns que pedem próteses?

As indicações mais comuns para a prótese de quadril são:

– Displasia Coxo Femoral;

– Luxação Coxo Femoral;

– Necrose asséptica da cabeça femoral.

 

Recentemente, a tucano Tieta, que recebeu próteses feitas em impressora 3D, esteve no CRV Imagem para exames de raios-x. Qual é o futuro do mercado de próteses? As impressoras 3D estão mesmo incluídas nele?

Acho que o futuro para as próteses de quadril será promissor. Hoje, temos um implante nacional que permite ótimos resultados. A tendência é que a técnica seja difundida por todo o Brasil, beneficiando mais e mais cães.

As próteses metálicas fabricadas em impressoras 3D são feitas por um processo denominado EBM (fusão por feixe de elétrons). Esta ainda é uma realidade distante do brasileiro, mas sem dúvida as próteses de impressora 3D serão o futuro dos implantes ortopédicos.

 

Obrigado, Dr Wanderley.

Grande abraço.

 

Dr Wanderley documenta a evolução de alguns de seus pacientes. Nos vídeos abaixo, os desdobramentos de um paciente operado com fratura vertebral 10 dias e três após a cirurgia. Mais vídeos você confere aqui.

 

 

 

Comentários

comentários

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar