Gatos e FIV: Adoção e Resultados Falso Negativos (pt 2)

Na primeira parte da entrevista sobre o FIV, a virologista Dra Sheila Medeiros traçou a semelhança entre o FIV e o HIV, apontou a mordida como principal forma de transmissão e explicou por que a vacina que previne a doença não tem muita eficácia nos gatos do Brasil.

Agora, Dra Sheila fala se há chances de o proprietário ser o transmissor da doença ao carregar objetos contaminados para dentro de casa e por que devemos ficar atentos aos resultados falso negativos.

 

É verdade que a transmissão do FIV é mais difícil que a de outra doença viral comum em gatos, a FeLV?

Sim, é mais difícil. Apesar de existir grande quantidade de partículas de vírus na boca dos animais infectados, a lambedura não é a principal forma de transmissão, pois estudos recentes demonstraram que a saliva de gatos não infectados apresenta propriedades que inibem a infecção. Já quando um felino infectado morde um gato não infectado, ele introduz os vírus diretamente no organismo do gato não infectado, como se fosse uma injeção.

 

— Conteúdo Relacionado: Gatos: Saiba os Cuidados Ao Adotar e Levar Pra Casa

 

Dra Sheila, suponhamos que eu tenha um gato mas também mantenha contato com gatos errantes, que vivem na rua. É possível que, ao usar a mesma roupa e sapato que estava quando entrei em contato com estes animais errantes, transmitir o vírus para meu gato?

Muito difícil. O vírus fica viável pouco tempo fora do organismo do animal. Mas como são gatos errantes, temos que pensar em outras doenças, como a panleucopenia, coronavírus e as doenças respiratórias, que são facilmente transmissíveis por contato com objetos contaminados. Então é bom higienizar bem as mãos, trocar a roupa e sapatos antes de ter contato com seu animal.

 

Se eu quero adotar um gatinho e a mãe for tratada e testada negativo para FIV e FeLV, existe a necessidade de testar os filhotes? Todos os filhotes?

Com certeza sim, precisa testar todos os filhotes. Se a mãe adquire um destes vírus durante a gestação, vai ter um resultado falso negativo, pois leva um tempo até que os testes detectem o resultado positivo. Mas nesta fase inicial a quantidade de vírus no organismo é muito grande e aumenta a chance de transmissão para os filhotes.

 

Quais as chances do gato ser falso negativo? Devo repetir os testes se meu animal for negativo? Se sim, em quanto tempo devo fazer isso?

As chances de falso negativo vão depender do momento em que o felino foi infectado, e isto dificilmente sabemos. Como o teste para FIV detecta anticorpos contra o vírus, o resultado positivo demora cerca de 4 meses para aparecer. Se o gato é testado neste intervalo vai ter um resultado falso negativo.

Só por curiosidade: para o FeLV o teste detecta antígenos, então o intervalo entre um teste e outro deve ser entre 30 e 40 dias.

 

Há alguma outra forma de prevenção ou cura sendo estudada?

Até onde sei, infelizmente, não existem estudos para cura e prevenção da infecção pelo FIV.  Neste tópico, apesar das semelhanças entre o FIV e o HIV, perdemos terreno, pois existem várias linhas de estudos com o intuito de “cura” do HIV, e na veterinária não existe investimento para estudos similares.

 

Dra Sheila Medeiros atende na clínica C.A.T., no Rio de Janeiro.

 

Comentários

comentários

Facebook By Weblizar Powered By Weblizar